The Revolutionary Association of the Women of Afghanistan (RAWA)
RAWA


 

 

 
Add RAWA RSS Feed to Feedreaders





 


RAWA Photo Gallery
Random Image from RAWA Photo Gallery
 






Follow RAWA on Twitter


Join RAWA on Facebook


RAWA Channel on Youtube


RAWA.org, 10.02.2020

Entrevista da RAWA com Algumas Prostitutas

Em junho de 2002, duas membros da RAWA em Cabul entrevistaram cerca de 60 mulheres e gravaram a conversa em vídeo

Tradução de Edu Montesanti

Entre os resultados de mais de duas décadas de guerra e destruição no Afeganistão, especialmente na última década quando o reinado de terror dos fundamentalistas juhadistas e de seus irmãos de crença dos talibans prevaleciam no céu do nosso país, a prostituição entre as viúvas é uma tragédia que nunca pode ser esquecida.

Infelizmente, como a prostituição é ilícita e secreta não há fatos e números exatos para mostrar o número real de prostitutas. No entanto, de acordo com os relatórios das membros da RAWA, em contato com algumas delas, o número, definitivamente, pasa dos milhares.

Um dos projetos da RAWA no Afeganistão é ajudar as centenas de milhares de viúvas miseráveis, algumas das quais se voltaram para a prostituição, e resgatá-las dessa ocupação imunda. Felizmente, nossas membros conseguiram entrar em contato com muitas delas e inscrevê-las em cursos de alfabetização e alfaiataria. As mulheres que estão participando dos cursos de alfaiataria da RAWA recebem uma máquina de costura gratuitamente, para que, ao usá-la, possam andar com suas próprias pernas, e voltar da prostituição para a vida normal e honrada, que é o desejo de toda mulher.

Vale ressaltar que nos últimos meses, a RAWA distribuiu alimentos para várias dessas mulheres.

Em junho de 2002, duas membros da RAWA em Cabul entrevistaram cerca de 60 mulheres e gravaram a conversa em vídeo. Abaixo, compartilhamos algumas partes traduzidas dos vídeos. A dor e a miséria da maioria dessas mulheres são iguais; a maioria delas perdeu o esposo nas mãos dos fundamentalistas da guerra, e não tinham outro meio de vida a não ser se prostituir. Seu único desejo é encontrar algum tipo de ajuda, e retornar a uma vida digna de seres humanos.

Sua ajuda e apoio nos darão a capacidade de resgatar ainda mais essas mulheres desamparadas e oprimidas, e salvar o futuro delas e de seus filhos.

Devido ao pedido das mulheres que foram entrevistadas, omitimos suas fotos e usamos abreviações em vez dos nomes completos.

RAWA Interview with some prostitutes

MH: Ela é viúva, tem cerca de 33 anos. Perdeu o marido há quatro anos na guerra, e tem seis filhos entre 4 e 14 anos. Ela chorava ao dizer: "Por causa dos meus filhos, nem pude cometer suicídio. Nos últimos dois meses, não paguei aluguel da casa e todos os dias o proprietário ameaça nos despeje à força. Ainda não paguei a conta da eletricidade, e dá desculpas toda vez que o funcionário cobra o dinheiro.

Durante o regime do Taliban, como não havia outra maneira de ganhar a vida, fui para a prostituição. Eu estava em contato com um Talib cujo nome era Sakhi Dad; ele me deu dez afeganes por semana. No entanto, seis meses atrás Sakhi foi embora de Cabul, e estou com um grande problema. Minha única esperança é encontrar emprego.

Lamento ser prostituta, mas foi a fome dos meus filhos que me levou a isso. Minha filha mais velha está na quarta classe, e tentei de tudo para mantê-la alheia a esses fatos".

RAWA Interview with some prostitutes

FA: Ela é viúva de 35 anos e cinco filhos. Perdeu o marido na guerra entre o Taliban e o Partido Wahdat, em Dara Soaf. Seus olhos estavam repletos de dor e tristeza, e com a filha de onze anos ao lado, disse: "Meu marido era agricultor; enquanto trabalhava no campo, o Taliban atacou, matou pessoas e destruiu fazendas. Mataram meu marido no campo, destruíram nossas casas e mataram meu cunhado no mesmo local.

Viemos a Cabul. Não havia outra maneira de alimentar meus cinco filhos, exceto a prostituição. Minha filha de onze anos conhece meus contatos. Arranjei um namoro para ela com um garoto sobre quem não sei muito, para que ela não enfrentasse o que estou passando agora. A família do meu marido é pobre e não pode ajudar. Estou abalada e muito preocupada com o destino dos meus filhos.

RAWA Interview with some prostitutes

NH: Ela parece ter cerca de 35 anos, da província de Paghman. Mãe de seis filhos; a filha mais velha tem onze anos. Ela diz: "Estudei na escola até o oitavo grau, mas quando me casei meu marido não me permitiu estudar mais. Dois anos depois que nos casamos, meu marido ficou viciado em drogas. Ele me batia diariamente e tornava a vida amarga. Ele queria que eu trabalhasse e ganhasse dinheiro para alimentar as crianças.

Quando eu estava grávida de sete meses, a gente se divorciou. Mendiguei e lavei roupas, mas isso não foi suficiente para atender nossas necessidades. Nove meses atrás, busquei a prostituição. Sei que minha vida e a vida dos meus filhos serão afetadas por isso; se alguém quiser ajudar, deixarei essa ocupação desonrada ,sem nenhuma hesitação.

RAWA Interview with some prostitutes

FH: Ela diz: "Sou de Shamali. Quando os talibans atacaram nossa aldeia, destruíram tudo. Todos fugiram para qualquer lugar. Os talibans mataram meu pai enquanto ele trabalhava no campo.

Me mudei para Cabul com meus três filhos, de três a sete anos. A partir desse dia, meu irmão e meu marido estão desaparecidos; talvez eles estejam entre os mortos. Em Cabul, eu trabalhava como serva em uma das casas de onde comecei a me prostituir. Atualmente, estou em contato com um joalheiro que me dá dinheiro quando o visito, sofro de dores de estômago e não gosto de ter relações sexuais com muitas pessoas.

RAWA Interview with some prostitutes

RA: Ela é mãe de três filhos, o mais velho de cinco anos. Quando perguntei sua idade, ela sorriu e disse: "Esqueci meu nome e você está perguntando sobre minha idade; talvez 21". Ela também é de Shamali, e tem quase a mesma história de "FH".

"Perdi o contato com meu marido em Shamali. Fugimos para Cabul, mas no caminho para lá, os talibans separavam homens de mulheres. Meu marido pertencia a Panjsher e meu palpite é que ele pode ter sido morto lá.

Eu estava grávida de dois meses quando deixamos nossa vila em ruínas. Sou prostituta há cinco meses, há uma mulher que me guia nessa atividade. Tenho contato com vários homens que me dão de cinco a seis afeganes por semana.

Minha mãe é viúva também, mas ela não sabe o que estou fazendo, lamento o que estou fazendo, mas não há outra saída.

RAWA Interview with some prostitutes

SH: Eu sou do vale Panjsher, mas vivi a maior parte do tempo em Cabul. Tive três filhos; duas garotas e um garoto. Eu tive uma boa vida com meu marido. Mas, após sete anos de união, minha vida deu uma nova reviravolta.

Recentemente, minhas duas filhas morreram devido à catapora. Meu marido me culpou pelas mortes delas, e usou isso como pretexto para me deixar. Ele não tirou o filho de mim. Comecei esse negócio sujo nos últimos meses.

Eu morava com minha mãe há alguns meses, mas finalmente comecei a mendigar. Um dia, um lojista fez uma oferta e eu aceitei. Toda semana ele me dá um afegão e meio. Não sei de onde ele é e se tem esposa e filhos. Não tenho nenhum tipo de prazer nas relações sexuais com ele, isso é forçado para mim.

Usei camisinha para evitar me engravidar, mas apesar disso estou grávida de quatro meses agora. Minha mãe não sabe nada sobre o meu relacionamento com esse homem.

RAWA Interview with some prostitutes

WH: Venho fazendo isso nos últimos dois anos; sou viúva e devo alimentar meus filhos. Comecei a cozinhar e lavar roupas, mas nossa condição era muito ruim. Por fim, entrei em contato com uma mulher que era prostituta há muito tempo. Ela me incentivou a deixar esse trabalho duro e fazer esse negócio, que é cheio de dinheiro. Minha primeira reação foi recusar, mas mais tarde, quando nossa condição piorou, eu aceitei.

Quando fiz pela primeira vez, me senti muito mal e chorei por muitos dias. Estou em contato com vários homens que me dão dinheiro. Fui forçada a fazer isso, e não sinto alegria ao fazê-lo. Estou tomando pílulas para não engravidar. Frequentemente receio que alguém, incluindo meus filhos e vizinhos, saiba sobre minhas relações. Se os vizinhos descobrirem, me expulsarão desta área.

Tenho muito medo de contrair AIDS ou qualquer outra doença sexual; por isso, faço isso apenas em tempos de necessidade. Estou em contato com muitas mulheres que fazem esse negócio sujo, e todas são viúvas.

Conheço Jamila que foi morta por um dos comandantes do Taliban. Ela teve um relacionamento com o comandante, mas quando ele descobriu que ela tinha relações com outros homens, a matou.

RAWA Interview with some prostitutes

AH: Meu marido se divorciou de mim há cinco anos. Dei à luz duas filhas, mas ele queria um filho. Com duas filhas, enfrentei muitos problemas. Comecei a lavar roupas, mas no final caí nessa rede. Faço isso há mais de dois anos.

Estou em contato com um homem que tem uma casa de prostitutas, e ele me dá dinheiro em troca de relações sexuais. Ele tem família, esposa e filhos. Estou usando pílulas para evitar a concepção, e também sou paciente por problemas no coração.

Minha filha mais velha tem 14 anos. Para mantê-la a salvo dessas coisas, providenciei seu casamento. Mas por causa da má sorte, a vida dela é mais amarga que a minha. O marido dela é jovem e inexperiente, e ele e a mãe fazem coisas muito cruéis com ela.

Minha filha geralmente vem compartilhar sua dor comigo. Ela agora é professora de um curso de alfabetização da RAWA.

RAWA Interview with some prostitutes

FA: Tenho duas filhas e dois filhos. Sou analfabeta. Meu pai morreu alguns anos atrás, minha mãe está viva. Eu era muito jovem quando me casei. Vivemos felizes por alguns anos, mas meu marido foi para o Paquistão e não voltou. Minha vida deu uma guinada chocante após a perda de meu marido.

Tenho um cunhado desempregado, pobre e um homem fraco. Comecei a fazer isso [prostituição] três anos atrás, quando não encontrei outra saída. Eu não tinha nada, nem comida nem roupas para quatro crianças pequenas.

Iniciei isso com os lojistas. Eles me deram comida de graça. Às vezes, me davam três ou quatro afeganes também. Eles me levaram a muitos lugares, em um hotel por algumas horas ou em uma casa vazia. Estou usando a espiral (DIU) para impedir a concepção.

Meu cunhado não tem conhecimento de nada disso. Mas, se souber, não se importará porque não pode ajudar. Meu irmão geralmente chega em casa apenas à noite para dormir. Ele tampouco sabe de nada, porque fico em casa à noite.

Um dos meus filhos é fraco, sofre de desnutrição. Levei-o para o hospital, mas não ajudou.

RAWA Interview with some prostitutes

AA: Sou de Panjshir, e moro na seção de Saraji em Cabul em uma casa alugada. Sou mãe de cinco filhos. Casei-me com um dos meus primos desaparecido nos últimos dois anos. Ele era de Panjshir, e trabalhou com o Taliban. Na verdade, o Taliban o capturou e não o matou, mas o forçou a trabalhar para eles.

Antes eu tinha outro marido, que era mulá e morreu doente. Tenho três filhos dele, e um do meu marido mais novo. Eu morava com meus filhos pequenos em uma casa, mas eles me forçaram a sair pois não podiam suportar minhas despesas. Quando saí daquela casa, eles brigaram entre si.

Não encontrando ninguém para me ajudar, decidi seguir com esse negócio sujo. Lavar roupas e fazer tarefas domésticas para as pessoas não era suficiente. Sempre que saio com alguém, ele me dá três ou quatro afeganes. Ainda estou fazendo isso duas ou três vezes por semana.

RAWA Interview with some prostitutes

SA: Sou de Shakar Dara, mas vivi principalmente em Cabul. Meu marido, que era de Saraei Khoja, perdeu a vida há três anos quando um foguete atingiu ele e dois dos meus filhos juntos. Durante a guerra, todos nós escapamos da cidade para nossa vila. Tínhamos uma casa lá, mas o Taliban também a queimou.

Depois de todos esses eventos (três anos atrás), fui deixado sozinho neste mundo com meus dois filhos e uma filha, e fui forçado a fazer isso. Minhas despesas foram mais do que o que ganhei com a lavagem de roupas. Comecei a mendigar no começo.

Um dia, fui a uma joalheria pedir dinheiro. O joalheiro disse: "que pena! Mendigar não vale a pena". Ele me perguntou por que estava mendigando, eu lhe disse que ele não sabia a dor que atingia meu coração. Ele disse que queria me levar para sua casa para lavar roupas.

No dia seguinte, quando cheguei à casa dele ninguém mais estava lá, e ele trancou a sala e me estuprou. Eu não podia fazer nada, ele me ameaçou para que eu não contasse a ninguém e também me deu algum dinheiro em troca daquilo. Perdi minha honra, a única coisa que me restava na vida.

Agora, mantenho contato apenas com esse homem. Ninguém sabe disso. Sua esposa é rica e, muitas vezes, me leva a fazer tarefas domésticas para ela. Eu recebo ente 8 e 10 afeganes por mês. Deus não deveria deixar nenhuma mulher viúva. Ninguém ajuda, nem familiares.

Estou aplicando injeção como contraceptivo. Sei que a injeção tem seus efeitos colaterais, e é por isso que geralmente sofro de dores de cabeça. Mas o que devo fazer?

Às vezes, quando vou às lojas mendigar, para passar o tempo, os lojistas continuam conversando comigo e me dão um pouco mais de dinheiro. Também estou trabalhando para parentes, para alimentar meus três filhos órfãos.

RAWA Interview with some prostitutes

GM: Meu marido é motorista, e viciado em drogas nos últimos vinte anos. Me casei há 15 anos. Na verdade, uma das minhas outras primas deveria se casar com meu marido, mas ela recusou e meus pais me forçaram a casar com ele. Ele também é meu primo.

Meu marido, desde os primeiros dias do nosso casamento, vive fora de casa. Quando ele está em casa, vive nervoso e com problemas de saúde. Muitas vezes perguntei ao meu cunhado sobre o vício do meu marido. Tive três filhos, um morreu por catapora e os outros dois por pneumonia. Agora eu tenho apenas uma filha de 9 anos.

Comecei a fazer isso em 1989. Meu marido estava me pedindo dinheiro toda vez que precisava de drogas. Um dia ele vendeu minha filha para um estranho. Felizmente, vi o homem pegando minha filha e fugindo, e o persegui. Outro homem que estava passando testemunhou a cena e o pegou. Peguei minha filha de volta. Depois daquele dia, minha filha tem muito medo do próprio pai; ela nem quer vê-lo.

Meu marido diz que não importa como ganho dinheiro. Às vezes, em busca de dinheiro, vou de Cabul a Panjshir. Mas tenho o cuidado de sair com pessoas que não me conhecem, e que não são parentes. Meu marido não pode viver um dia sem drogas e remédios. Ele está na cama o tempo todo, como um bebê.

Estamos morando com minha cunhada na mesma casa. Com certeza, não quero que elas saibam das minhas relações de maneira que dou desculpas diferentes quando saio de casa. Os homens me levam a lugares estranhos onde nunca estive antes. Costumo fazer isso três ou quatro vezes por semana, caso contrário meu marido vai me expulsar de sua casa.

RAWA Interview with some prostitutes

HA: Sou órfã. Minha mãe me criou muito bem. Pude ir à escola até o sexto ano em Cabul. Minha mãe me amava muito. Eu teve uma vida feliz e excelente depois do meu casamento. Sou mãe de dois filhos e uma filha. Dois anos atrás, meu marido ficou doente e morreu.

Durante um ano, ganhei a vida de maneira muito honrosa. Mas a situação se torna muito mais difícil com o passar do tempo. Todo mundo me esqueceu. Eu não era mais capaz de alimentar meus filhos.

Finalmente comecei a mendigar. Um alfaiate chamado Noor Ali (provavelmente do vale Shamali) me ligou várias vezes, prometendo me dar uma boa quantia de dinheiro. No começo recusei suas ofertas, mas depois aceitei pedir dinheiro a ele.

Ele prometeu me dar dinheiro semanalmente ou mensalmente. Ainda tenho contato com esse homem, mas meus filhos não o conhecem.

Tenho meu pai e minha sogra vivos, mas eles não me ajudam. Eu gostaria de ser alfabetizado, aprender alguma coisa e ganhar dinheiro de maneira honrosa.



Category: Português, Português RAWA